Décimo Nono Domingo Comum – C

No evangelho da Missa do domingo passado Jesus nos convidava a pensar no quanto é passageira a vida aqui na terra, no quanto são passageiros os bens, as coisas daqui. Também a primeira leitura nos fazia pensar nisso, quando lembrava que é vaidade acumular com esforços bens que depois serão desfrutados por um outro que nenhum esforço fez.
E a Liturgia nos convidava então a pensar na realidade do Reino dos Céus. Essa deveria ser a nossa principal preocupação, a preocupação fundamental da nossa vida: a preocupação com a nossa salvação.
Costumamos, após a consagração na Missa, fazer essa aclamação: “Anunciamos, Senhor, vossa morte, e proclamamos a vossa Ressurreição. Vinde, Senhor Jesus!”.
Nós ansiamos pela vinda do Senhor. Caracteriza a nossa vida de cristãos essa atitude de expectativa, de esperança. Caminhamos ao encontro de Cristo, nossa alegria.
Escreve São Paulo aos Romanos: “Não tem proporção os sofrimentos da vida presente com a glória futura que se há de revelar em nós”.
É a certeza de um encontro feliz e eterno com o Pai que nos leva a superar os sofrimentos e as dificuldades da vida e nos dá coragem para lutar contra tudo que possa vir a afastar-nos do caminho.
São Pedro alerta-nos em sua carta: “Sede sóbrios e vigilantes. O vosso adversário, o demônio, vos rodeia como um leão a rugir, procurando a quem devorar. Resisti-lhe firmes na fé”.
E também Jesus no Evangelho nos chama a atenção para essa vigilância. Quando vier, no último dia, o Senhor vai dar o prêmio aos bons e o castigo aos que tiverem feito o mal.
Jesus nos compara aos servos que nas longas horas da noite ficaram esperando o seu Senhor, que foi a uma festa de casamento, e devem guardar a casa e abrir-lhe a porta quando chegar. Felizes deles, se o Senhor os encontrar vigilantes! Ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”.
E quando Jesus nos faz esse apelo à vigilância, Ele não quer que nós vivamos amedrontados, assustados com o dia do julgamento, mas que procuremos na nossa vida fazer o bem, fazer o que Deus quer que nós façamos.

Décimo Oitavo Domingo Comum – C

Um dos pedidos que Jesus nos ensinou a fazer no Pai Nosso foi esse: “Venha a nós o vosso Reino”. E, quantas vezes pedimos isso a Deus! Porque muitas vezes rezamos o Pai Nosso. Mas se pedimos a Deus que o seu Reino venha a nós, é necessário que estejamos abertos a acolhê-lo e a trabalhar pela sua implantação e pelo seu crescimento. 
Quando, no evangelho de hoje, alguém pede a Jesus que intervenha junto ao irmão para dividir a herança, Jesus responde: “quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?” “A vida de um homem não consiste na abundância de bens”.
Jesus quer ensinar aos discípulos e também a nós que só o Reino de Deus trará a salvação e a felicidade. Num outro momento no evangelho, é Ele mesmo quem diz: “Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas vos serão dadas por acréscimo”.
“Todas essas coisas” de que fala o evangelho são aquelas que nós seres humanos desejamos ou que precisamos para viver.
Na parábola do rico insensato que ouvimos no evangelho de hoje, Jesus mostra o quanto são passageiros os bens, e por isso o homem não pode colocar neles a sua segurança. O que adianta ajuntar tantos bens, mas morrer sem poder levar consigo esses bens? Ou então ter tantos bens e não conseguir dormir com medo de perdê-los de alguma forma?
Já a primeira leitura convidava-nos a refletir: “um homem que trabalhou com inteligência, competência e sucesso vê-se obrigado a deixar tudo em herança a outro que em nada colaborou”. “Que resta ao homem de todos os trabalhos e preocupações que o desgastam?”
Jesus quer nos ensinar no evangelho de hoje que temos que procurar “ser ricos diante de Deus”.
O evangelho de hoje quer ser um convite para nós a buscarmos nesta vida as coisas que contam de fato e que podem constituir um tesouro diante de Deus.
E quais são essas coisas? Elas são tantas e somos convidados a assumi-las de acordo com o chamado que nos é feito a viver a nossa vida cristã e a buscar a santidade.
São valores verdadeiros e duradouros: a prática da justiça e da caridade, o amor ao próximo, até aos estranhos e inimigos, o esforço de sermos solidários e de promovermos a paz…
Ao passo que são valores passageiros e enganosos o acúmulo de bens materiais, o consumismo, a busca do prazer pelo prazer, o egoísmo, o luxo, a omissão…
Que tipo de valores nós estamos buscando? Temos nos preocupado de ir formando o nosso tesouro junto de Deus?

Horários das Missas na Paróquia do Rosário

Barbara 5MISSAS NA PARÓQUIA DO ROSÁRIO
(De 26 de Julho a 02 de Agosto de 2.016)
Dia 26, Terça-feira: Missa na Comunidade Santa Bárbara às 20 h.
Dia 27, Quarta-feira, Missa às 19:15 h.
Dia 28, Quinta-feira: Missa por Cura e Libertação às 20 h. Adoração ao Santíssimo a partir das 9 h.
Dia 29, Sexta-feira, Missa às 19:15 h.
Dia 30, Sábado, Missa na Santa Bárbara às 18 h e Missa na Paróquia às 19:30 h.
Dia 31, Domingo, Missa às 8 h, às 10 h e às 19 h.
Dia 02, Terça-feira: Missa na Comunidade Santa Bárbara às 20 h.

Nosso Endereço: Rua Carlos Sgarbi Filho, 33 – Jd. Castro Alves
Fone: 5661-5396 Whatzap: 1196802-5616

Décimo Sétimo Domingo Comum – C

Falávamos no domingo passado do valor da oração. É na conversa com Deus na oração que vamos encontrar força para fazer o bem, para que “vendo as nossas boas obras, os homens possam glorificar a Deus que está nos céus”. 
No evangelho de hoje vemos os discípulos que pedem a Jesus: “Senhor, ensina-nos a rezar como também João ensinou a seus discípulos”.
Por que os discípulos pedem a Jesus que os ensine a rezar? Porque tinham necessidade da oração. Viam Jesus que rezava. Jesus era para eles exemplo de oração.
E Jesus ensinou-lhes essa oração tão bonita que todos nós conhecemos: o Pai Nosso.
O Pai Nosso é a oração que Jesus nos ensinou. É a fórmula tão bonita e eficaz deixada por Jesus para os seus discípulos e para todos nós.
O que é que devemos pedir a Deus quando rezamos? A resposta está no Pai Nosso.
Muitas vezes nas nossas orações pensamos tão somente em nós mesmos, em nossas necessidades. Quantas vezes só nos lembramos de rezar quando estamos em apuros, em dificuldades,
Jesus ensina-nos não uma oração egoísta, mas uma oração que nos faz primeiro pensar em Deus.
No Pai Nosso, os primeiros pedidos que fazemos são com relação a Deus. Assim pedimos: “Santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade”. Só então fazemos os pedidos com relação a nós: o pão de cada dia, não somente o pão material, mas também o pão espiritual, o pão da Eucaristia, o pão da Palavra de Deus…
Primeira Comunhão 1Pedimos a Deus o perdão, e aí também o compromisso de perdoar, já que pedimos “perdoai-nos as nossas ofensas como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.
Pedimos ainda que Ele não nos deixe cair em tentação, e que nos livre do mal.
“Todo o que pede, recebe; o que procura, acha; e, para quem bate, se abrirá”.
E o evangelho de hoje termina com essas palavras de Jesus: “Será Deus que algum de vós que é pai, se o filho pedir um peixe, lhe dará uma cobra? Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!”
Jesus quer nos convidar assim a termos uma grande confiança em Deus que é pai e que nos ama. Deus sabe muito mais do que nós o que é melhor para nós.
Em nossos pedidos, levar sempre em conta que o plano de Deus deve ser realizado em nós, que a sua vontade deve ser feita.
O que devemos, então, pedir a Deus? “Ele dará o Espírito Santo aos que lho pedirem” Peçamos sobretudo a Deus o Espírito Santo, a graça da santidade, a graça da salvação. “Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e tudo mais vos será dado por acréscimo”.

HORÁRIOS DAS MISSAS NA PARÓQUIA DO ROSÁRIO

MISSAS NA PARÓQUIA DO ROSÁRIO
(De 18 a 26 de Julho de 2.016)
Dia 18, Segunda-feira: Missa da Mãe e Rainha às 20 h.
Dia 19, Terça-feira: Missa na Comunidade Santa Bárbara às 20 h.
Dia 20, Quarta-feira, não haverá Missa.
Dia 21, Quinta-feira: Missa por Cura e Libertação às 20 h. Adoração ao Santíssimo a partir das 9 h.
Dia 22, Sexta-feira, Missa às 20 h.
Dia 23, Sábado, Missa na Santa Bárbara às 18 h e Missa na Paróquia às 19:30 h.
Dia 24, Domingo, Missa às 8 h, às 10 h e às 19 h.
Dia 26, Terça-feira: Missa na Comunidade Santa Bárbara às 20 h.

Nosso Endereço: Rua Carlos Sgarbi Filho, 33 – Jd. Castro Alves
Fone: 5661-5396 Whatzap: 1196802-5616Barbara 5

Décimo Segundo Domingo Comum – C

O evangelho da Missa de hoje traz para nós Jesus que quer saber dos apóstolos o que as pessoas achavam a respeito dele, e depois quer saber o que pensam também dos apóstolos sobre ele.
Jesus veio à terra com uma missão bem específica: salvar a humanidade, reconciliá-la com o Pai, recolocar o homem no caminho da amizade, da intimidade com Deus.
E esta missão de Jesus será continuada pelos seus apóstolos, por aqueles que compartilharam da sua intimidade.
Jesus tem com os apóstolos uma convivência familiar. E é esse clima de amizade, de intimidade, que vai dar a Pedro condições de, em nome dos apóstolos, responder prontamente á pergunta de Jesus: “E vocês, quem vocês dizem que eu sou?”
Os homens tinham pareceres diversos a cerca de Jesus: julgavam que ele fosse João Batista ou algum dos profetas. Não tinham idéias claras sobre Ele. Não tinham vivido na sua intimidade. Não tinham participado como os apóstolos da amizade de Jesus.
Só os apóstolos eram capazes de revelar aos homens quem era Jesus.
Pedro responde prontamente em nome deles: “Tu és o Cristo de Deus”. E Jesus lhe diz que isto lhe foi revelado pelo Pai que está nos céus.
A resposta de Pedro foi fruto da ação do Espírito Santo nele. O Espírito de Deus fala em Pedro. Só podemos testemunhar o Cristo em nossa vida, se procurarmos criar entre nós e Ele um clima de intimidade, de amizade, se deixarmos falar em nós o Espírito Santo de Deus.
Mas como realizar em nossa vida a intimidade com Cristo? Como deixar falar em nós o Espírito Santo?
Entre os apóstolos havia essa condição: a presença constante de Cristo que os acompanhava e os instruía através da Palavra.
Nós também temos que testemunhar o Cristo em nossa vida. Temos que dizer aos outros homens, nossos irmãos, quem é esse Jesus em quem cremos, esse Jesus que nós amamos, e dizê-lo não só com palavras, também com palavras, mas sobretudo com o testemunho da nossa vida.
Nós, cristãos, temos que nos identificar no meio em que vivemos pela nossa maneira de ser e de agir. Somos seguidores de Cristo, devemos ser outros cristos em nossas comunidades.
Não é tão fácil hoje testemunhar Jesus Cristo, quando o mundo, a sociedade, traz para nós tantos apelos contrários aos valores evangélicos.
Podemos, no entanto, ter essa certeza: Jesus está conosco e nos ajuda nessa nossa caminhada.
Hoje cada um de nós é chamado a ser um evangelizador, um apóstolo.
Viver na intimidade de Cristo! Buscar a sua amizade através da oração e da escuta da palavra de Deus!
Como temos valorizado esses momentos fortes da nossa vida, em que entramos na intimidade do Cristo: a nossa oração, a nossa Missa, a escuta da Palavra de Deus, a participação nos sacramentos?

Horários de Missas na Paróquia do Rosário

santoAntonio[1]MISSAS NA PARÓQUIA DO ROSÁRIO
(De 13 a 21 de Junho de 2.016)
Dia 13, Segunda-feira, Dia de Santo Antônio, Missa com Bênçãos de Pães às 20 h.
Dia 14, Terça-feira: Missa na Comunidade Santa Bárbara às 20 h.
Dia 15, Quarta-feira, Missa às 19:15 h.
Dia 16, Quinta-feira: Missa por Cura e Libertação às 20 h. Adoração ao Santíssimo a partir das 9 h.
Dia 17, Sexta-feira, Missa às 19:15 h.
Dia 18, Sábado, Missa na Santa Bárbara às 18 h e Missa da Mãe e Rainha às 19 h.
Dia 19, Domingo, Missa às 8 h, às 10 h e às 19 h.
Dia 21, Terça-feira: Missa na Comunidade Santa Bárbara às 20 h.
Nosso Endereço: Rua Carlos Sgarbi Filho, 33 – Jd. Castro Alves
Fone: 5661-5396 Whatzap: 1196802-5616

HORÁRIO DE MISSAS NA PARÓQUIA

MISSAS NA PARÓQUIA DO ROSÁRIO
(De 05 a 12 de Junho de 2.016)
Dia 05, Domingo, Missa às 8 h, às 10 h e às 19 h.
Dia 07, Terça-feira, Missa de Nossa Senhora do Rosário às 20 h.
Dia 09, Quinta-feira, Missa com Adoração e Bênçãos às 20 h. 
Dia 10, Sexta-feira, Missa às 19:15 h.
Dia 11, Sábado, Missa na Santa Bárbara às 18 h e na Paróquia às 19 h.
Dia 12, Domingo, Missa às 8 h, às 10 h e às 19 h.
Nosso Endereço: Rua Carlos Sgarbi Filho, 33 – Jd. Castro Alves
Fone: 5661-5396 Whatzap: 1196802-5616

Santíssima Trindade – C

Santa Terezinha 2Aprendemos desde criança a fazer o Sinal da Cruz. A começar e a terminar todas as nossas atividades “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”. 
E por que é que fazemos o Sinal da Cruz? Para lembrar que desde o nosso Batismo somos consagrados a Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo. É o Mistério da Santíssima Trindade.
Mistério: algo que não conseguimos compreender com a nossa inteligência, mas aceitamos com a nossa fé. Aceitamos porque a Igreja nos ensina, a Palavra de Deus nos revela.
Ensina-nos o Catecismo a crer num único Deus. Mas revela-nos Jesus que em Deus há três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
Os evangelhos, em vários momentos, acenam para a Santíssima Trindade.
Uma primeira manifestação da Santíssima Trindade nos evangelhos, nós a encontramos por ocasião do Batismo de Jesus: o Filho, Jesus, é batizado; o Espírito Santo desce sobre Ele em forma de pomba; o Pai fala: Ouve-se uma voz do céu: “Tu és o meu Filho muito amado, em ti ponho minha afeição” (Mc 1,10-11).
Também no seu discurso que antecede a paixão, Jesus fala da Trindade: “Quando vier o Paráclito (o Espírito Santo) que procede do Pai, Ele dará testemunho de Mim” (Jo 15,26).
Todos os Concílios proclamaram essa verdade e ela está presente na fórmula de profissão de fé cristã, desde a mais antiga, que é o Creio que nós rezamos em cada Missa: “Creio em Deus Pai todo-poderoso, e em Jesus Cristo, seu Filho, Nosso Senhor… Creio no Espírito Santo”.
Quando fomos batizados e começamos a pertencer à grande família de Deus, a Igreja, isto aconteceu “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. O batismo nos foi dado em nome da Santíssima Trindade.
Em todos os momentos solenes da nossa vida a Igreja invoca sobre nós a Santíssima Trindade.
A partir do nosso batismo, fomos consagrados, fomos separados para a Santíssima Trindade. A Santíssima Trindade veio morar em nós como em um templo.
E então uma reflexão: pensamos nessa realidade maravilhosa de que somos templos da Santíssima Trindade? Temos valorizado esse templo de Deus que nós somos?
A Igreja quer neste domingo proclamar a sua fé na Santíssima Trindade e ao mesmo tempo pedir aos cristãos uma maior atenção à presença do Deus Uno e Trino em suas vidas.
Santíssima Trindade, Mistério de Fé! Mais do que compreender o mistério, o que se pede de nós é que olhemos para a Santíssima Trindade como uma comunidade de amor e busquemos espelharmo-nos nessa comunidade de amor.
E como estamos longe de atingirmos o ideal apontado pela comunidade trinitária! Quantas vezes há também entre nós desavenças, rivalidades, ciúmes, falta de amor…
Que ao celebrarmos hoje a Festa da Santíssima Trindade possamos realimentar a fé no Deus uno e trino e buscar, com mais vigor, os caminhos da unidade e da paz.

Horários de Missas na Paróquia do Rosário

MISSAS NA PARÓQUIA DO ROSÁRIO
(De 17 a 24 de Maio de 2.016)
Dia 17, Terça-feira, Missa na Comunidade Sta. Bárbara às 20 h.
Dia 18, Quarta-feira, Missa da Mãe e Rainha às 20 h.
Dia 19, Quinta-feira, Missa por Cura e Libertação às 20 h. Adoração ao Santíssimo a partir das 9 h.
Dia 20, Sexta-feira, Missa às 19:15 h.
Dia 21, Sábado, Missa na Santa Bárbara às 18 h e na Paróquia às 19:30 h.
Dia 22, Domingo, Missa às 8 h, às 10 h e às 19 h.
Dia 24, Terça-feira, Missa celebrada por D. José na Comunidade Santa Bárbara às 20 h.
Nosso Endereço: Rua Carlos Sgarbi Filho, 33 – Jd. Castro Alves
Fone: 5661-5396 Whats: 1196802-5616